• isabelaliaseditora

COMPORTAMENTO VIRTUAL: um texto de Tércia Montenegro

Tércia Montenegro*


COMPORTAMENTO VIRTUAL


Ilustração de Ju


Uma dentre as inúmeras reflexões que podemos desenvolver a partir desse período de quarentena diz respeito à dependência, cada vez mais entranhada, que adquirimos em relação à tecnologia. Nesse âmbito, que por si é bem vasto (envolvendo comércio, entretenimento, arte, aprendizagem e tantas áreas mais), o aspecto comportamental chama a atenção, cria um alerta. Poderia ser questão óbvia, discernir as fronteiras entre o real e o virtual – mas talvez seja algo profundamente sutil, para certas pessoas.


Existe um tipo de malícia que as redes sociais exigem. Elas são uma vitrine onde você expõe suas características, seus talentos – não necessariamente para obter retorno financeiro, embora sempre haja a expectativa de algum lucro, ainda que de teor emocional, psíquico. Entretanto, ali estão vitrines. E muita gente as confunde com a própria casa, escancarando sentimentos e a mais crua intimidade – como se os interlocutores não estivessem do outro lado virtual, e sim dentro da sala, convidados próximos tomando um cafezinho, partilhando ideias ou desabafos.


Os ingênuos e inseguros deixam cair essa quarta parede, esquecem que mídias são espaços de representação. Há uma performance específica para esses ambientes, tanto quanto para o lugar de uma profissão. O imbróglio com os limites entre privado e público, na era atual, deve ter começado com o surgimento dos computadores domésticos – mas, no início, imagino que esta máquina devassava a intimidade tanto quanto um telefone fixo, digamos. O telefone móvel já rompe muitas fronteiras, permite que se carregue o outro, a voz do outro, para um cotidiano mais profundo: as ligações passam a ser longas, porque agora elas podem acompanhar as tarefas, ninguém precisa mais ficar parado, dedicado exclusivamente a uma conversa telefônica. Quando este telemóvel – o tal celular – ganha câmera e acesso à internet, então, a ilusão de que temos uma companhia através da máquina se intensifica.


Mas continua sendo ilusão. Ilusionismo. E talvez não se faça uma advertência importante às jovens gerações: “Isso é mágica. Pode encantar e divertir, porém não acredite completamente”. Quem nasceu na fase pré-digital aprendeu isso porque acompanhou o processo de montagem desse espetáculo, assistiu a ensaios, observou as falhas progressivamente desaparecendo, memorizou os truques. Mas adolescentes e crianças entraram direto quando o show já estava acontecendo. Se ninguém lhes disser que se trata de uma representação, com suas estratégias específicas, os pobres inocentes vão achar que a cartola, sim, é um portal divino de onde saem coelhos, pombas, lenços. E podem passar a vida acreditando que a respiração equivale a um clique, e que conhecem uma pessoa porque acompanham seu perfil, curtem suas postagens, sabem o que ela pensa... Será, será?


Eu poderia me afogar no mar de exemplos que estão por aí, mostrando as consequências de ser ingênuo. Mas passo a bola – ou a boia – para vocês.


***


Tércia Montenegro é escritora e fotógrafa.


Ju

trinta anos de sonho e de sangue. sol em aquário, lua em gêmeos e mais um monte de ar no mapa, mas jura que tem um coração. onde queres um lar, revolução. é psicóloga. desenha e escreve para não sufocar com as forças incontroláveis que traz no peito.






18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo